domingo, agosto 26, 2007

Toda estrela é estrela por um brilho independente,
próprio,
embora seja a semente que irradia luz por todo um mundo.
Toda estrela deve brilhar por sí
e nesse momento sua piscadela refletirá em todo o redor,
mas se uma estrela passa a querer um motivo para brilhar,
a claridade que ilumina vida passa a morar por trás de uma sombra, que a impedede reluzir. Assim, de “ser star” passa a“ser e não estar”.

Esse é o meu grande erro. E a partir de agora isso muda.

Um comentário:

Artemis disse...

Obrigada por postar meu poeminha, amei qdo. li. Muito feliz :) Bom domingo!!!

Artemis (do botecoliterario)