quarta-feira, setembro 30, 2009

Desesperar jamais
Aprendemos muito nesses anos
Afinal de contas não tem cabimento
Entregar o jogo no primeiro tempo

Nada de correr da raia
Nada de morrer na praia
Nada! Nada! Nada de esquecer

No balanço de perdas e danos
Já tivemos muitos desenganos
Já tivemos muito que chorar
Mas agora, acho que chegou a hora
De fazer Valer o dito popular
Desesperar jamais
Cutucou por baixo, o de cima cai
Desesperar jamais
Cutucou com jeito, não levanta mais

Ivan Lins / Vítor Martins

terça-feira, setembro 29, 2009

A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.

Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.

E quanto ao amor?

Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando.

Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.

Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.

É o que dá ver tanta televisão.

Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.

Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade.

Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum.

Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção.

Quem tem, precisa aproveita-lo, gasta-lo, usufruí-lo.

Não perder tempo juntando, juntando, juntando.

Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado.

E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.

Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.

Olhe para o relógio: hora de acordar.

É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente.

A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio.

Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.

Se a meta está alta demais, reduza-a.

Se você não está de acordo com as regras, demita-se.

Invente seu próprio jogo.

Faça o que for necessário para ser feliz.

Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.

Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormentam e provocam inquietude no nosso coração.

Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.
Martha Medeiros.

sábado, setembro 26, 2009

E que a força do medo que tenho, não me impeça de ver o
que anseio.
Que a morte de tudo o que acredito não me tape os
ouvidos nem a boca
Porque metade de mim é o que eu grito, mas a outra
metade é silêncio.
Que a música que eu ouço ao longe, seja linda, ainda
que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada mesmo
que distante
Porque metade de mim é partida e a outra metade é
saudade.

Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como
prece, nem repetidas com fervor,
apenas respeitadas, como a única coisa que resta a um
homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço, mas a outra metade
é o que calo
Que essa minha vontade de ir embora se transforme na
calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corroe por dentro seja um dia
recompensada

Que o espelho reflita em meu rosto, um doce sorriso,
que me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra
metade eu não sei
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito

E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo, mas a outra metade é
cansaço
Que a arte nos aponte uma resposta, mesmo que ela não
saiba
E que ninguém a tente complicar porque é preciso
simplicidade para fazê-la florescer
Porque metade de mim é a platéia, e a outra metade é
canção
E que a minha loucura seja perdoada,
Porque metade de mim é amor, e a outra metade...
também.

Metade - Oswaldo Montenegro

quinta-feira, setembro 24, 2009

Muito bom texto !

Quem é o seu amante?
Jorge Bucay - Psicólogo


" Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam. Geralmente, são essas últimas as que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc.

Elas me contam que suas vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, elas já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme:

'Depressão', além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, após escutá-las atentamente, eu lhes digo que não precisam de nenhum anti-depressivo; digo-lhes que precisam de um AMANTE!

É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem meu conselho.

Há as que pensam: 'Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa dessas?!' Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais.
Aquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico o seguinte:

AMANTE
é 'aquilo que nos apaixona', é o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro, outras, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis.

Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...

Enfim, é 'alguém' ou 'algo' que nos faz 'namorar' a vida e nos afasta do triste destino de 'ir levando'.

E o que é 'ir levando'? Ir levando é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o se deixar dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é se aborrecer com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva.

Ir levando é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã*.

Por favor, não se contente com 'ir levando'; procure um amante, seja também um amante e um protagonista ... DA SUA VIDA!

Acredite: O trágico não é morrer, afinal, a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver. Por isso, e sem mais delongas, procure um amante ...

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo Transcendental: 'PARA SE ESTAR SATISFEITO, ATIVO E SENTIR-SE JOVEM E FELIZ, É PRECISO NAMORAR A VIDA.' "

Tânia Short
"A mente cria, o desejo atrai e a fé realiza"

quarta-feira, setembro 23, 2009


Muitas músicas poderiam expressar o que sinto agora.
Ao mesmo tempo, acho que não.
Sinto um vazio.
O sentimento de fracasso permanece.
Mas, esvaziei.
Os seres humanos são muito diferentes perante as mesmas situações.
Parece esdrúxulo ler isso de uma Psicóloga, que estuda a cabeça dos outros.
Que óbvio não é?
Não, não é.
Não quando os pontos de vista sobre a mesma coisa partem em sua direção.
Estou vazia, oca.
Quero me encher novamente, mas desta vez de coisas boas, sentimentos recíprocos, reconhecimentos, sensações verdadeiras, projetos realizáveis, êxitos, alegrias.
Quero poder gritar ao mundo tudo o que penso e sinto.
Detesto esconderijos.
Quero me mostrar.
Meus olhos brilhantes novamente, meu sorriso aberto e transparente, meus cabelos esvoaçantes e minha tagarelice que tantos reclamam.
Quero falar mais ainda, muito !
Quero tomar coquetéis !!!!!!
DE FRUTAS ! e não de ansiolíticos e calmantes pra apagar.
Quero tomar altas doses de AMOR na veia e não injeções de soro numa cadeira de emergência.
Quero dormir de CANSAÇO, de tanto trabalhar, rir, me exercitar em corpo e mente.
Quero ter dores de cabeça de tanta POLUIÇÃO VISUAL DE BELEZA! dos lugares por onde passar.
Quero ter OTITE de tanto ouvir coisa boa !!!
Quero torcer o pé porque corri atrás de alguém na grama e topei numa pedra e ri de dor e de alegria.
Quero me QUEIMAR DE SOL !!! e não de imagem !
Quero me ENGASGAR tanto falar abobrinha e piada besta !
Quero baixar em meu computador fotos tremidas e embaçadas porque na hora alguém me deu um susto de alegria.
Quero me SURPREENDER COM O MEDO! o medo de altura, de barata, de formiga e não com o medo de perder.
Quero ganhar na loteria do CORAÇÃO!
Quero FILAS de amigos verdadeiros.
Quero uma faxineira que adore limpar a porcaria de todos os meus animais e ainda ria disso !
Quero acordar com DOR NAS COSTAS, mas porque eu dividi a minha cama com quem ganhei na loteria do coração e não porque passei o dia e a noite dormindo pra fugir de problemas.
Ai como sou ambiciosa !
Será?

terça-feira, setembro 22, 2009

Despedida

Tô com um sentimento de fracasso.
Lutei por um objetivo, um sonho, mas perdi a parada.
Talvez eu tenha confundido.
Existem sonhos que tem de ficar na plataforma dos sonhos mesmo.
Dos desejos inalcansáveis.
Achei que se lutasse como sempre foi do meu feitio, corresse atrás, batalhasse, conseguiria.
Mas, não depende de só de mim.
A difícil arte ...

segunda-feira, setembro 21, 2009

É tarde e não consigo dormir.
Escutei essa música hoje na Cultura, quatro belos negros de New Orleans: trumpete, piano, baixo e bateria.
É linda, cheia de emoção.

domingo, setembro 20, 2009




Nada como um pouco de álcool. Bem pouco. Apenas duas doses para deixar um organismo propenso tonto, mesmo com muitas trufas de chocolate.
Hoje tive sorte.
A Cultura apresentou uma banda de New Orleans. Puro Jazz americano. Muito bom.
Depois fui pra Moeda e lá acabei conhecendo um cineasta por tabela e falando com os contumazes do lugar.
Cineastas são muito loucos.
Tomei meu álcool para passar a enchaqueca, tomei muito café e muito chocolate. Mas, só consegui ficar tonta.
Antes que caísse no chão de tontura. O Cara de Bunda me trouxe pra casa.
Mas, foi bom.
Foi bom chegar e ser eu mesma no lugar, sem ser sombra de ninguém.
Ô, como é bom !!!
Tenho que aprender a ser mais egoísta e pensar mais em mim.
Preciso me amar antes de amar ao próximo, pois sem me amar não amo a ninguém.
Entender que a vida começa em mim e para que eu esteja e seja o bem para o outro eu tenho que estar e ser o bem para mim.
Colocar de uma vez por todas em minha cabeça que a minha felicidade quem faz sou eu e não os outros. Eles não detém este poder.
Isto é o mais difícil.
Apreciar a solidão como uma maneira de me revitalizar das influências externas e de não me absorver tanto pela energia dos outros.
Ver que o resto do mundo depois de mim é um universo fantástico para se estar em relação, mas não para depender dele.
Mostrar a qualquer criatura que esteja ou queira estar ao meu lado que eu tenho honra, dignidade, caráter e que dentro deste tão grande universo, eu sou uma criatura especial. Sou sim !
Prestar atenção nas minhas escolhas e assumi-las, desde que eu tenha certeza de que elas me serão benéficas.
Ser capaz de suportar as barras e enfrentar os problemas com equilíbrio e razão, tranquilidade e justiça.
As escolhas que devo fazer em minha vida nem sempre serão as melhores e as que eu quero, mas se fizer isso, com certeza terei um bom motivo adiante.
Treinar, treinar, treinar... sim treinar a mente para o pensamento positivo e otimista sempre e evitar ao máximo cair em depressão e não me sentir a coitadinha da estrela.
Enxergar o mundo como uma coisa boa e com boas possibilidades.
Afinal...
Eu sou Andréa, Andréa Carla, Andréa Carla de Aragão Ferreira.
Sei de mim e do que posso como mulher, ser humano, basta escolher querer ser feliz.
Difícil?
Pra car ...
Mas, não posso fraquejar.
A partir de agora tenho que tirar o medo e jogá-lo a chutes para fora do meu portão.
Medo de perder, medo de não ser como os outros esperam, medo de ficar só, medo de não conseguir, medo de não agradar.
O medo paralisa e emburrece !
O que tiver que ser meu será !

sexta-feira, setembro 18, 2009

Minha cabeça está vazia hoje...
Cheguei em casa com uma sensação de "bateria arriada".
Energia consumida.
Aquela sensação de que a sua respiração vai falhar, o oxigênio vai se esvair do seu cérebro, as estrelas vão começar a surgir e que você vai apagar.
Por alguns segundos quis que esta sensação acontecesse logo pra eu voltar logo.
Mas, nada aconteceu e descobri que o que estou sentindo nada mais é do que angústia e um pouco de cansaço.
A gente se mistura com a história dos outros e se identifica muitas vezes. Essa troca me consome que eu nem percebo.
Agora, depois que eu passei um certo tempo deitada, a minha respiração ainda está trôpega e cansada, como se eu tivesse asma, mas não tenho, ainda bem.
Estou me perguntando como vou passar a minha sexta à noite.
Um filme na TV ou um DVD ? Um livro? apenas deitar e dormir ?
Navegar na web à tôa ?
Nem aqui tive vontade de vir.
Mas, vim.
Vim me ver, me sentir, me olhar.
Minha resposta é não sei.
Eu sei do que estou falando. Nó !
Mágoa, ressentimento, medo, raiva, são sentimentos negativos que devo jogar fora. Ao mesmo tempo discernir entre o bem e o mal. Fazer as minhas escolhas e me responsabilizar por elas.
Assumir.
É ... não sei. Deve ser.
Concordo, mas ainda não cheguei lá. Me policio. Isso soa falso e premeditado. Parece a escola e a traquina.
Não. Tenho de ser mais que isso.
Sinto o meu cérebro do tamanho do caroço de uma azeitona.
Eita pensamentinho pequeno.
"Poxa vida ... tão inteligente..."
Escuto coisas, repito histórias, relembro passados.
Quero me desgarrar do passado e aprender a virar páginas.
Deixar de ser saudosista.
Olhar para frente.

terça-feira, setembro 15, 2009

A vida da gente é sempre cheia de altos e baixos.
Às vezes fica um pouco demorado a gente dar a volta por cima.
O pensamento positivo é realmente um treinamento que se deve fazer constantemente.
Não reclamar ajuda e fazer com que a nossa mente trabalhe ao nosso favor.
Gente pra não ajudar tem aos montes.
Talvez a melhor maneira seja me seguir.

domingo, setembro 13, 2009

sexta-feira, setembro 11, 2009

Esse é o cara !

Eu chego lá !

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!

Charles Chaplin

quinta-feira, setembro 10, 2009


Não solidão, hoje não ...

Não, solidão, hoje não quero me retocar
Nesse salão de tristeza onde as outras penteiam mágoas
Deixo que as águas invadam meu rosto
Gosto de me ver chorar
Finjo que estão me vendo
Eu preciso me mostrar

Bonita
Pra que os olhos do meu bem
Não olhem mais ninguém
Quando eu me revelar
Da forma mais bonita
Pra saber como levar todos
Os desejos que ele tem
Ao me ver passar
Bonita
Hoje eu arrasei
Na casa de espelhos
Espalho os meus rostos
E finjo que finjo que finjo
Que não sei.

Chico Buarque

Estou saindo...
Saindo pq disse coisas que agrediram.
Coisas que doeram fundo.
Não é fácil se deparar com certas verdades.
Talvez eu tenha chegado exatamente pra isso e só pra isso.

sexta-feira, setembro 04, 2009

Iniciei o mês otimista ...
Foi só dia primeiro.
Um amigo meu de Portugal me disse ontem: "Os problemas você tem de enfrentá-los sozinha"
Estou guerreando com eles ...
Haja Sun Tzu...

A Cup off Jazz with Cat !

Hoje é dia de George Aragão e Catarina Michica na Fundação Joaquim Nabuco,
no Café Castigliani às 20:00h.
Bora?
Então bora.
Estou lendo alguns livros. Na minha vida acompanhadamente sozinha, os livros me fazem companhia.
A gente muda com o tempo. Chego hoje a me arrepender do que fiz.
Geralmente o ditado ensina a gente a se arrepender do que não fez. Eu segui esse ditado algumas vezes ao longo de minha vida e como a rota natural das coisas, em algumas delas me dei bem mal.
Mas, a culpa é toda minha ou a responsabilidade, dá quase no mesmo.
Acho que calculei mal as previsões e caí de boca, quebrei meus dentes, figurativamente falando.
A gente repete situações em nossas vidas, mas parece um redemoinho onde não acho a saída.
Situações sem solução. Não sei jogar. Entrei no jogo e agora sou a pior das jogadoras, pois não sei levar porrada e levantar.
Tem muita gente ao meu redor que é bem hábil nisso. Sabe levar a vida aos trancos e barrancos, sabe viver.
Eu não sei ainda. Não sei lidar com as adversidades quando elas nem eram pra existir porque nem era pra eu ter entrado no jogo. Aí ... o jogo fica bem mais difícil.
Uma partida injusta onde o adversário já começa ganhando de 10x0. Virar o jogo? Eu só consegui uma vez e depois com o tempo, achei que tudo iria dar certo e não deu.
Então sou crédula de um outro ditado que diz: "Um raio não cai na mesma casa duas vezes"
Cai não.
A gente não ganha sempre. E tem que aprender a perder. Reconhecer que entrou no jogo tarde demais e que não dá mais tempo de virar o placar.
Perder é ruim que só.
Mas, pior é viver na obscuridade.

quinta-feira, setembro 03, 2009

Olha aí ... Bobby

Bob Dylan and his Band will perform three special shows in Chicago at the world-renowned Aragon Ballroom, on Thursday - Saturday, October 29, 30 and 31.

Olha aí pessoal, meu amigo Bobby vai fazer um show na Aragon Ballroom, uma casa de shows em Chicago.
Acessa aí o site do lugar: www.aragon.com
o lugar né fraco não ...
Afinal Aragão é Aragão ;-)