terça-feira, junho 22, 2010

Foram-se os amores que tive ou me tiveram:
partiram
num cotejo silencioso e iluminado.
O tempo me ensinou a não acreditar demais na morte
nem desistir da vida:
cultivo alegrias num jardim
onde estamos Eu, os sonhos idos,
os velhos amores e os segredos.
E a esperança - que rebrilha
como pedrinhas de cor entre raízes.

Secreta Mirada, Lya Luft

Este poeminha a Lya escreveu para os seus amores (maridos) que morreram.
A morte nem sempre significa só a ausência de vestes e carne.
Em vida, a morte está em cada golpe que se leva.
Em cada decepção sentida.
Em cada sonho enganado.
Mas, a morte também traz vida.
Uma outra vida, com gosto e desejo de felicidade.

2 comentários:

Anônimo disse...

Qdo vc tá triste escreve melhor. Mas, prefiro vc alegre.

Andrea Aragão disse...

Eu também me prefiro alegre.